loading...

LUIZA

sexta-feira, 5 de junho de 2015

Como se defender de ataques massivos à sua reputação na internet

Por Thiago Venco, em O Labirinto do Desacordo
Emergência: sou a "bola da vez". Criaram páginas onde meu caráter está sendo analisado por pessoas de quem nunca ouvi falar. Aliás, quando acordei essa manhã de sonhos intranquilos, a discussão varou a madrugada e já são horripilantes 14.659 compartilhamentos de um post, de uma pessoa que desconheço, que comentava um artigo de um jornalista - de uma revista de grande circulação! - que afirmava coisas sobre mim que eu jamais imaginaria serem... Imagináveis.
O que fazer? Qual o primeiro passo? Como não agravar?
A cena inicial é fictícia, mas poderia ser verdadeira. A frequência do fenômeno "ataque massivo de reputação" ainda não é mensurada, mas o senso comum nos diz que diariamente podemos encontrar novos casos de pessoas que estão sendo difamadas numa escala e velocidades impensáveis antes da internet. Não pretendemos aqui catalogar as diversas qualidades destes ataques; apenas para contextualizar, estamos falando de bullying entre estudantes, vingança por rompimentos amorosos, disputas políticas, divergências teológicas, "linchamentos virtuais" por condutas consideradas inadequadas...
A proposta de ação que faremos a seguir foi discutida com jornalistas experientes, assessores de imprensa, administradores de empresas que cuidam de redes sociais.
É uma estratégia neutra, que não precisa levar em consideração "quem está certo e quem está errado"; não entra no âmbito da retórica, da argumentação.
Esta estratégia foi inspirada pela solução de um jogo muito simples, chamado "Cerque o Gato" - Segue o link.
O desafio proposto pelo jogo tem um paralelo estrutural com a crise de reputação: o objetivo é cessar o movimento do gato fechando suas saídas - a equivalência, portanto, consiste em cessar a reprodução dos ataques, paralisar a multiplicação de versões, compartilhamentos.
O problema que o jogo coloca é o seguinte:
- O gato tem sempre 6 (seis) saídas
- O jogador tem somente 1 (um) bloqueio por rodada
Essa situação de desequilíbrio se assemelha à crise de quem está sendo atacado pela web: para cada resposta que ele dá para um ataque, surgem outros cinco focos de ataque.
Quando um jogador "novato" se depara com o desafio, sua intuição o leva a colocar o obstáculo na frente do gato (note que o gato parece estar olhando para uma saída específica). Porém, isso imediatamente se demonstra inútil: o gato tem à disposição mais 5 saídas, escolhe uma e foge. A sequência acima foi feita usando esta tática: colocar o obstáculo na frente do gato. NOTEM QUE EM APENAS 6 MOVIMENTOS O GATO VENCEU.
Não tenha dúvida de nosso argumento: É INÚTIL RESPONDER ATAQUE POR ATAQUE, post a post, comentário por comentário. Este é o erro inicial de quem nunca sofreu um ataque de reputação: seu "instinto" é responder o primeiro absurdo que encontra pela frente. Porém, esse esforço de criar um obstáculo a cada vez não compensa, eis nosso ponto.
Imaginem que você demora 1 minuto para ler a "qualidade específica do ataque" e mais 1 minuto para responder. Agora, digamos que apenas num "post" do Facebook, já existam mais de 400 comentários. O esforço aqui descrito demandaria mais de 13 horas! Nestas 13 horas, muitos outros comentários teriam sido realizados. Portanto, o problema aqui fica colocado de forma "física", e não moral: independente de os comentários serem justos ou injustos, como lidar com eles?
Qual a solução para o jogo do gato? CERCAR O GATO.
Coloque obstáculos o mais longe possível de onde o gato está neste momento.
Considerando que o jogo se inicia com aproximadamente 8 obstáculos, o exemplo acima nos demonstra que o jogador que usa a estratégia de distanciar-se do gato e cuidar do PERÍMETRO conseguiu "sobreviver" por 27 rodadas - em vez de "perder" em apenas 6 rodadas. Portanto, em vez de se preocupar em colocar o obstáculo na frente do "antagonista" e garantir ao oponente que ele tenha sempre 5 opções para desviar do obstáculo, o jogador parte do pressuposto de que existem só 4 lados - ou sejam 4 rotas de fuga. A ESTRATÉGIA CORRETA É FECHAR AS SAÍDAS O QUANTO ANTES.
Portanto, a pessoa que sofre o ataque de reputação não deve se ocupar do esforço de responder ataque por ataque - mas sim, de cuidar daquilo que seja equivalente a defender os "4 lados do problema". Ou seja, a pessoa deve compreender a natureza dos ataques e começar a construir as respostas longe dos focos de ataque, começando a construir um bloqueio que será consolidado em um lugar distante do centro da crise.
A metáfora das 27 rodadas também tem equivalência: significa que ainda que o tempo de elaboração de uma defesa seja maior, ou seja, que ao invés de responder "minuto a minuto" você passe 13 horas na construção de uma defesa, o resultado é que uma estratégia será eficiente e a outra, inútil.
A proposta é objetiva: crie uma página "independente", onde você possa responder a todos os aspectos que julgar relevantes no ataque. Isso corresponde a "fechar os quatro lados": observe a direção do gato, acompanhe seus movimentos, mas evite a tentação do confronto direto. Fique atento às diferentes naturezas de um mesmo ataque e cuide de cada uma delas.
Quando você concluir esta página de defesa, o obstáculo físico, concreto, você tem uma grande ferramenta em mãos: um link.
Quanto tempo demora para colocar um link embaixo de um comentário? 5 segundos? Agora considere que você vai pedir ajuda a seus amigos, que ao menos 4 pessoas se voluntariaram para espalhar os links embaixo de qualquer post, página, comentário sobre o ataque. O link seria algo assim:
A quem interessar possa: se você tem verdadeiro interesse em avaliar este problema, por favor, acesse este link e conheça a versão oficial e exclusiva de quem está sendo atacado aqui.
Em apenas 1 hora de trabalho, digamos que as 4 pessoas postando links de defesa poderiam "bloquear" cerca de 1000 comentários. Porém, outras pessoas podem aderir à defesa e entram para o time de contenção.
Na própria página, eventuais variações ou "updates" do ataque podem ser respondidos, sempre "a quem interessar possa".
Para o Labirinto do Desacordo, não interessa discutir se a pessoa que sofre o ataque é culpado ou inocente: o que importa é propor um plano básico de resgate para qualquer um que possa ter sua reputação ameaçada, com verdades ou mentiras.
Pois se a pessoa atacada for culpada e mentirosa - e decidir usar este plano de ação - ora, se esta pessoa concentrar as respostas em um único local, isso só favorecerá seus antagonistas.
Ou seja: esta estratégia de concentrar as respostas é desfavorável para quem não tem interesse em sintetizar suas posições publicamente.

Nenhum comentário:

Postar um comentário