loading...

LUIZA

terça-feira, 9 de fevereiro de 2016

Centrais e setor produtivo preparam reunião com o governo dia 17

  Sindicalistas e entidades empresariais do setor produtivo, que compõem o movimento "Compromisso pelo Desenvolvimento”, reunidos esta semana em São Paulo, decidiram cobrar do governo medidas que visem investimentos de curto e longo prazo, para dar condições à retomada do crescimento e enfrentamento da crise.

                                                              No próximo dia 17, os signatários do manifesto – entregue ao governo em dezembro – vão se reunir com ministros, em Brasília, para ouvir a contraproposta do governo. No próximo dia 17, os signatários do manifesto – entregue ao governo em dezembro – vão se reunir com ministros, em Brasília, para ouvir a contraproposta do governo aos sete pontos do documento. O ministro da Fazenda, Nelson Barbosa, deve participar do encontro.
   Murilo Celso Pinheiro, presidente da Federação Nacional dos Engenheiros, avalia que a unidade entre trabalhadores e setor produtivo é salutar. Ele argumenta: "Acho de extrema importância que tenhamos essa união, para apresentar propostas factíveis ao governo".
   "A reunião será fundamental pra saber se o governo está ou não disposto a discutir seriamente a agenda pelo desenvolvimento", afirma Canindé Pegado, secretário-geral da UGT.


Sugestões dos trabalhadores

"Estamos nos desindustrializando de maneira muito violenta e a indústria é o passaporte pra melhorar o padrão de vida em qualquer lugar do mundo. Precisamos gerar empregos. Não podemos perder a indústria", avalia Sérgio Nobre, secretário-geral da CUT.
   O diretor-técnico do Dieese, Clemente Ganz Lúcio, aponta que o caminho passa por financiamentos: a longo prazo na indústria de base e a curto prazo nos setores que causam impacto direto na economia.
  “É preciso construir portos, aeroportos, estradas, produzir aço e capitalizar a Petrobras, além de incentivar a renovação da frota veicular e os setores que movimentam a economia com maior rapidez", enumera Ganz.
   Para o dirigente químico Sérgio Luiz Leite, 1º Secretário da Força Sindical, os investimentos devem estar no centro do debate, para garantir manutenção e geração de empregos. Ele afirma: "É urgente mexer na política econômica e criar mecanismos pra oferta de créditos".

Fonte: Agência Sindical

Nenhum comentário:

Postar um comentário