loading...

LUIZA

segunda-feira, 29 de fevereiro de 2016

ITABUNA - Sedur intensificou operação para retirada de baronesas no final de semana

A Prefeitura de Itabuna, através da Secretaria de Desenvolvimento Urbano (Sedur) intensificou a operação de retirada das baronesas no rio Cachoeira, neste final de semana. Numa área de cerca de 20 mil metros quadrados, próxima ao estacionamento do Shopping Jequitibá foram mobilizados máquinas, equipamentos pesados, barcos e caçambas.
Iniciada há 10 dias, a operação já resultou na retirada de 520 toneladas das plantas aquáticas remanescentes da cheia, ocorrida em janeiro, do Cachoeira , segundo cálculos do secretário Marcos Monteiro. Neste final de semana, o serviço contou com 15 homens, seis caçambas truncadas, uma escavadeira hidráulica, dois guinchos e duas embarcações. A estimativa é de que, neste ritmo, sejam necessários mais 20 dias para a conclusão do serviço.
De segunda a sexta-feira, homens e máquinas trabalham na retirada das baronesas que, depois de cortadas, são levadas pelos barcos até as margens do rio. Após passar por um processo de secagem natural (desidratação), entre três e cinco dias são removidas. “Com esta operação, as plantas perdem até 40% do peso, diminuem o volume e facilitam o transporte nos caminhões”, explica o chefe de Gabinete da Sedur, Emanoel Alves Júnior, coordenador da operação.
Emanoel ressalta que o transporte das plantas secas para o Aterro Sanitário de Itabuna só está sendo feito nos finais de semana para não atrapalhar o trânsito e o cotidiano da cidade. Neste final de semana, foram contabilizadas 52 viagens entre o centro da cidade e a região onde se localiza o aterro.
SEM RISCOS
O secretário Marcos Monteiro destaca que o objetivo da operação é melhorar as condições visuais do rio. Ele assegura que a operação não representa riscos à população neste momento em que a cidade vive um surto de dengue, zika e chikungunya. “Os técnicos da Vigilância Epidemiológica da Secretaria Municipal de Saúde garantem que o acondicionamento das plantas as margens do rio não produz focos de mosquito Aedes aegypti”, reforça.
Na área de 20 mil metros quadrados onde a operação está sendo realizada, a Sedur fez, inicialmente, a retirada de lixo e entulho jogados pela população no leito do Rio Cachoeira. Dentre os objetos recolhidos estavam desde garrafas plásticas até carcaças geladeiras e vasos sanitários. “É preciso a cooperação da população no esforço do poder público em tornar a cidade e o meio ambiente limpos”, conclui o secretário de Desenvolvimento Urbano.

Nenhum comentário:

Postar um comentário