loading...

LUIZA

sexta-feira, 18 de março de 2016

Peru: ‘epidemia’ de envenenamento por mercúrio assola indígenas nahuas



Survival International Adital - Até 80% de um povo indígena recentemente contatado, no Peru (os nahuas), foienvenenado com mercúrio, o que disparou a já de por si só grave preocupação com o futuro desta tribo. Uma criança já faleceu com sintomas relacionados ao envenenamento por mercúrio.
A origem dessa intoxicação é um mistério, ainda que os especialistas suspeitem que se poderá responsabilizar o grande projeto gasífero peruano, conhecido como Camisea, que abriu a terra dessa tribo, nos anos 1980. Recentemente, o projeto se expandiu ainda mais em território nahua, o que tem suscitado a férrea oposição deste povo indígena.
Outra possibilidade que se aventa é que a contaminação tenha sua origem na desenfreada mineração ilegal de ouro, que existe na região.
Os nahuas, que vivem dentro de uma reserva para indígenas isolados, no sudeste do Peru, também padecem de infecções respiratórias agudas e outros problemas de saúde desde que foram contatados.
Outras comunidades indígenas da zona também podem estar afetadas pela contaminação de mercúrio, mas não se levaram a cabo provas que confirmem isto. Algumas das comunidades, pelas quais se teme sejam não contatadas ou se encontram extremamente isoladas. Parece que os Ministérios do Meio Ambiente e da Saúde do Peru conhecem o problema desde 2014.
A AIDESEP [Associação Interétnica de Desenvolvimento da Selva Peruana], a principal organização indígena da Amazônia peruana, está pressionando o governo para que realize completos reconhecimentos médicos aos nahuas e a outros povos indígenas da região, e para que dirija uma adequada investigação sobre as causas do envenenamento. O Ministério da Saúde levou a cabo um estudo, na primavera de 2015, mas ainda não publicaram os resultados.
Segundo declarações da dirigente indígena Nery Zapata: "A contaminação com mercúrio é sumamente delicada para a saúde humana, por suas consequências irreversíveis que acarreta, portanto, as autoridades de saúde devem incidir com as investigações, a fim de frear a fonte de contaminação contra a população originária”.
A Survival International, movimento global pelos direitos dos povos indígenas, também escreveu aos Ministérios da Saúde e da Cultura do Peru exortando-os a publicarem os resultados do seu estudo e colocar fim à catástrofe.
"As autoridades peruanas sempre são bastante indiferentes aos problemas que enfrentam suas comunidades indígenas, e a total negligência que mostram neste caso demonstra isto”, manifesta o diretor da Survival, Stephen Corry. E acrescenta: "Se esse envenenamento tivesse sido produzido em Lima, duvido muito que tivessem sido tão relaxados em sua resposta, ou que fosse feita com tanta calma a publicação dos resultados de suas descobertas prévias. É pouco menos que escandaloso que não atuem com contundência para resolver essa

Nenhum comentário:

Postar um comentário