loading...

LUIZA

sexta-feira, 1 de abril de 2016

Concurso para Polícia Federal 2016 poderá ter 5 mil vagas para nível médio

Mesmo com a contenção de gastos por parte do governo federal e a suspenção temporária dos novos concursos previstos para o ano de 2016, a própria administração pública admite que um dos concursos que deve ser priorizado é o da Polícia Federal.
O presidente da Associação Nacional dos Delegados de Polícia Federal (ADPF), Calos Eduardo Miguel Sobral, informou que há, atualmente, pelo menos 500 cargos vagos de delegado e perito, além das posições ociosas nas demais carreiras, inclusive administrativas. Afirmou também, a possibilidade que um novo concurso da Polícia Federal com 5 mil vagas para Agente Administrativo, que necessita apenas nível médio, será divulgado em breve.
No início de 2016, cerca de 600 aprovados no último concurso para agente deverão tomar posse, com a maioria devendo ir para as unidades de fronteira. Entretanto, com a chegada dos novos policiais, muitos que estão na região há bastante tempo, deverão ser transferidos para outras localidades.
Na opinião do presidente da Federação Nacional dos Policiais Federais (Fenapef), Jones Leal, o departamento deveria quadruplicar o quantitativo de policiais nessa faixa do território, que hoje não chega a 500. “No mínimo, na pior das hipóteses, necessita de 2 mil policiais”, afirmou. E de acordo com Leal, não está sendo cumprido o Decreto 8.326/14, que determina que os concursos para cargos policiais sejam realizados sempre que a quantidade de vagas ociosas exceder 5% do total existente para o respectivo cargo. “Os cargos de agente, escrivão e papiloscopista já excederam esse limite há muito tempo. Só no cargo de escrivão, dos que entraram pelo último concurso, quase 30% já saíram”, contou ele, apontando ainda que a formação de cada policial custa R$120 mil aos cofres públicos. A última seleção para escrivão foi para 350 vagas.
A suspensão de concursos anunciada pelo governo federal não vai atrapalhar a abertura de novo concurso. O que reforça a ideia ainda, é o histórico do concurso. Em anos anteriores, mesmo com a suspensão de concursos, órgãos de segurança pública, saúde e educação ficaram isentos das medidas fiscais para reajuste das contas públicas.
De acordo com o Decreto 8.326 da presidência da república, publicado no dia 10 de outubro de 2014, o órgão não precisará de autorização por parte do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (MPOG) para realizar novos concursos, dependendo apenas do parecer do órgão, no sentido de atestar as condições financeiras para as contratações.

Nenhum comentário:

Postar um comentário