loading...

LUIZA

sábado, 16 de julho de 2016

EMASA amplia captação em Castelo Novo para aumentar a oferta d’água à população de Itabuna

Como uma das ações prioritárias para reduzir o intervalo no abastecimento aos moradores de Itabuna, que enfrentam uma das mais graves crises hídricas da história do sul da Bahia, a Emasa vai ampliar, a partir da próxima semana, de 300 para 550 litros de água por segundo a captação na estação de Castelo Novo, distrito de Ilhéus. A empresa investiu cerca de R$ 200 mil em obras e aquisição de equipamentos para ampliar a captação, tratamento e distribuição de água.De acordo com o presidente da Emasa, Ricardo Campos, a nova estrutura começa a ser testada na próxima semana e entra em funcionamento, definitivamente, a partir da semana seguinte. Para reforçar o sistema de captação e distribuição foi instalado um conjunto hidráulico composto por tubos e conexões (barrilete) para a distribuição de água, dois motores-bombas auxiliares de 300 CV cada e um moto-bomba de 175 CV.
Ricardo Campos explica que novos equipamentos para melhorar o sistema também foram adquiridos pela Emasa para facilitar a operação técnica de captação e adução para a Estação de Tratamento de Água (ETA). Paralelo a essas ações, o município ampliou a oferta de água portável, com perfuração de poços artesianos nas zonas urbana e rural. O primeiro a entrar em funcionamento foi o poço de 120 metros de profundidade, no Serrado, com capacidade de fornecer 17,5 mil litros de água por hora, o que permitirá elevar a oferta de água doce à população.
AS PRIMEIRAS AÇÕES
O presidente da Emasa reconhece que o abastecimento de água em Itabuna está longe do ideal, mas todas as medidas vêm sendo adotadas pela empresa e pelo município, em pareceria com a Coordenadoria de Ações Estratégicas da Superintendência Estadual de Proteção e Defesa Civil. “As ações para enfrentar essa severa crise hídrica foram adotadas imediatamente pela Emasa no seu inicio, investindo somente nos primeiros meses cerca de R$ 1 milhão na contratação de carros pipa e aquisição de reservatórios de água distribuídos para os bairros”, afirma.
Ricardo Campos destaca que Itabuna foi primeiro município do sul da Bahia a publicar decreto de situação de emergência, que posteriormente foi reconhecido pelos governos estadual e federal. Ele afirma ainda que, por diversas vezes, esteve acompanhando o prefeito Claudevane Leite em Salvador para reuniões com técnicos e secretários estaduais e solicitaram ajuda para amenizar o problema causado pelos mais de nove meses sem chuvas fortes.
O presidente da Emasa ressalta que o governo municipal vem cobrando maior celeridade no andamento da construção da barragem no Rio Colônia, em Itapé. “Mas precisamos também de ações permanentes para recuperação das matas ciliares e mais investimentos para aumentar o percentual de esgoto tratado em Itabuna. Precisamos da contribuição de todos, principalmente, dos agricultores nos municípios em que ficam as nascentes dos rios que abastecem Itabuna, porque pouco adianta ter barragem se não desenvolvermos ações efetivas de recuperação e revitalização desses mananciais que abastecem e região e formam a Bacia do Leste. Neste contexto é de vital importância a formação e fortalecimento do Comitê de Produtores de Água do Sul da Bahia recentemente apresentado em Audiência Pública na UESC” finalizou.

Nenhum comentário:

Postar um comentário