loading...

LUIZA

terça-feira, 14 de fevereiro de 2017

Com Temer, Brasil pode ter até 3,6 milhões de novos pobres em 2017



Divulgação / ONU

A projeção do Banco Mundial considerou dois cenários possíveis para a economia do país. No pior cenário, haveria esse exército de 3,6 milhões de novos pobres e o Brasil alcançaria o triste número de 29,6 milhões de pessoas vivendo numa situação de pobreza extrema.

Mas, mesmo na projeção mais otimista, que prevê um pequeno crescimento da economia em 2017, a entidade estima que 2,5 milhões de brasileiros voltariam a viver abaixo da pobreza, só este ano.
Trata-se do reflexo de uma crise econômica que se agravou insuflada pela crise política.
Apostando no “quanto pior, melhor”, a oposição ao governo da presidenta Dilma Rousseff paralisou o país. E, no pós-impeachment, as forças que tomaram o poder lançaram o país na incerteza. Para piorar, apostam em uma agenda que retira direitos e perspectivas dos mais pobres, enquanto mantém privilégios de uma elite econômica. Para piorar, não é capaz de retomar a atividade.

De acordo com o estudo do Banco Mundial, para frear o crescimento da pobreza extrema aos patamares de 2015 - base mais atual de dados oficiais sobre renda -, o governo terá que aumentar o orçamento do Bolsa Família este ano para R$ 30,4 bilhões, no cenário econômico mais otimista, e para R$ 31 bilhões, no quadro mais pessimista. No Orçamento de 2017, está previsto o investimento de R$29,8 milhões.

No pior cenário, 1,16 milhões de novas famílias poderão se tornar dependentes do programa de transferência de renda do governo até o fim deste ano. Na simulação mais otimista, 810 mil famílias passariam a depender do benefício para viver.

“Se o programa não aumentar, aponta o Banco Mundial, a proporção de brasileiros em situação de miséria subirá para 4,2% este ano no cenário otimista e para 4,6% no pessimista. Caso a cobertura seja ampliada, conforme recomendado, a taxa terá um leve crescimento para 3,5% e 3,6%, nos dois quadros econômicos traçados”, diz reportagem de O Globo sobre o assunto.

Vale lembrar que o atual governo já deu muitas provas de que é avesso aos programas sociais. Só em 2016, a gestão Temer suspendeu 1,136 milhão de benefícios do Bolsa Família.

O estudo do Banco Mundial mostra que o perfil desses “novos pobres” - que estavam acima da linha da pobreza em 2015 e já caíram ou cairão abaixo dela neste ano -, é diferente do daqueles que já viviam em condição de pobreza em 2015 e continuam nessa situação.

Cerca de nove em cada dez pessoas que deverão se tornar pobres este ano residem em área urbana. A idade média dos chefes das famílias é de 37,9 anos, 38,2% estudaram ao menos até o ensino médio, 33,5% são brancos e 58,8% trabalhava na área de serviços em 2015.
Do Portal Vermelho, com O Globo

Nenhum comentário:

Postar um comentário