loading...

LUIZA

sábado, 27 de maio de 2017

Grupo baiano canta os rios São Francisco e Tejo, em Portugal



Foto: Lucas Rosário
Os rios São Francisco e Tejo vão se encontrar. Com o apoio do Fundo de Cultura da Bahia, através do edital de Mobilidade Artística e Cultural, a turnê Tejopará – rios que cantam realizará três apresentações em Portugal, até o dia 11 de junho, unindo música, poesia e artes plásticas, evidenciando o diálogo cultural entre as populações ribeirinhas da Bahia e das cidades de Almada, Coimbra e Seia. Essa última será palco da primeira apresentação nesta sexta-feira (26), com transmissão online por meio da página do Facebook da Tejopará, às 17h30 (horário brasileiro).
A ideia, segundo a produtora cultural Steffane Leal é mostrar a cultura baiana e sua relação com o Rio São Francisco (Opará, ou rio-mar, como era conhecido pelos índios que habitavam sua bacia na época do descobrimento do Brasil) através de canções, poemas e artes que simbolizam as questões sociais e poéticas dos artistas ribeirinhos. A cantora Andrezza Santos, o músico Fernando Nunes e o artista plástico Alex Moreira serão responsáveis por mostrar a cultura baiana para o público português.Andrezza que vai interpretar canções ribeirinhas, com ritmos que vão do forró à MPB, Marujada, Samba de Veio e Rodeadouro, em canções que homenageiam o Velho Chico e o Tejo, como Canoa do Tejo, de Frederico de Brito, e Novos Cantos, de Eduardo Filipe. A ação contará também com performances envolvendo literatura por meio da recitação de poemas produzidos por baianos e portugueses que possuem obras inspiradas pelos rios. Alex Moreira mostrará sua arte na construção das carrancas feitas de carvão vegetal para espantar a “ingratidão com o rio”.

Steffane conta que o intercâmbio possibilitado pela primeira chamada de 2017 do Edital de Mobilidade pretende apresentar aos portugueses ideais como preservação, conservação e a cultura em torno do Velho Chico. “É um projeto Novo, que surgiu da nossa convivência, em Juazeiro, com o Rio São Francisco. Será uma troca de experiências e também divulgação com relação ao nosso rio”. Em Seia, a apresentação vai acontecer na Casa de Cultura Municipal. Além das 3 apresentações, o Tejopará vai também realizar exposição, criar um catálogo digital com o registro visual da viagem, que será compartilhado nas redes sociais e fará transmissões online.

Para o superintendente de Promoção Cultural da SecultBA, Alexandre Simões, o edital de Mobilidade Artística e Cultural (Secretarias da Fazenda e da Cultura), com apoio para residências artísticas, difusão e intercâmbio cultural, permite esse formato de interação entre a cultura baiana e outras praças no País e fora dele. “O edital proporciona aos artistas vivências, além de divulgar o que de melhor está sendo produzido no Estado, abrindo novos horizontes. Esses artistas e produtores certamente vão trazer na bagagem experiências que serão multiplicadas localmente”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário