loading...

LUIZA

domingo, 2 de julho de 2017

Qual a percepção dos Tribunais Trabalhistas a respeito de sua corporação?

Por Gustavo Casarin - Advogado da área Trabalhista - Dupont Spiller Advogados

Estamos em um momento em que os direitos trabalhistas e a Justiça do Trabalho estão em foco. A reforma trabalhista, já aprovada na Câmara dos Deputados, é um momento oportuno para reflexões que transbordam os temas centrais da própria lei em tramitação.
O texto final da reforma trabalhista se mostra incerto pelo tempo e negociações que ocorrerão, mas de algo não se duvida: as empresas que melhor conhecerem sua realidade estarão mais preparadas para a tomada de decisões e para melhor aproveitar oportunidades no panorama jurídico futuro.

Esta avaliação inevitavelmente passará pelo contingente de ações trabalhistas. Porém, não raras vezes se esquece de buscar as verdadeiras razões que conduziram a decisão final nos processos judiciais, relegando muitas vezes o resultado a avaliação simplista do protecionismo do Poder Judiciário.

Não queremos aqui fazer uma defesa do sistema ou negar a existência do protecionismo, mas muitas vezes, por estarmos acostumados a criticar o judiciário, deixamos de nos questionar qual a nossa efetiva participação no resultado.

Um caminho interessante é estabelecer indicadores precisos e que tragam informação muito além do simples resultado econômico da ação. Da análise sistêmica dos indicadores podemos fazer uma avaliação de como o Judiciário enxerga a empresa, a impressão que se transmite da relação com empregados, o que é percebido de sua relação com terceirizados, e, principalmente, se a sociedade tem a correta percepção das boas práticas realizadas.

A correção no agir e a relação da empresa com o público interno e externo impacta muito além do valor de uma marca, sendo importante lembrar que o julgador trabalhista está inserido na mesma sociedade que a consome diariamente, portanto, tal percepção poderá influenciar mesmo de que de forma inconsciente o resultado da demanda.

Alfabeta Comunicação

Nenhum comentário:

Postar um comentário